Pensamos o suficiente no que nos move?


Motivação: A vida profissional exige cada vez mais de todos nós, o que nos deixa cada vez menos tempo para coisas que são simples, mas importantes. E o parar para pensar, reflectir e ponderar, é sem dúvida uma das coisas que fica muitas vezes esquecida.
Muito se fala em motivação, sobre o que é, o que não é, como se cria, e como se influencia. Fala-se também no impacto que a motivação tem no desempenho, na concretização do potencial, no desenvolvimento da carreira. E até no propósito da retenção de pessoas nas organizações.
Mas… será que pensamos o suficiente naquilo que nos move, já a que a motivação é isso mesmo, algo que nos move e que nos leva a agir?
Todas as pessoas são diferentes e têm capacidades, competências, características e necessidades diferentes. E claro, têm também motivações diferentes! Ouvimos frequentemente a expressão “a motivação está em cada um de nós”. E está mesmo… mas o que nos motiva, afinal?

As necessidades motivacionais podem estar relacionadas com diferentes fatores, como por exemplo:

  • Crescer e evoluir profissionalmente;
  • Sentir que as competências e o potencial são desafiados;
  • Conhecer formas de fazer e pensar diferentes das habituais, aprender mais;
  • Sentir proximidade com a equipa com a qual se trabalha, através do envolvimento em atividades/tarefas de grupo, que fomentem a partilha e a relação com o outro;
  • Percecionar equilíbrio entre a vida profissional e a pessoal ou familiar;
  • Sentir reconhecimento e apreciação pelo trabalho, nomeadamente em situações onde esse esforço é maior;
  • Percecionar que se é importante para a equipa e para a Organização;
  • Percecionar justiça e equidade;
  • Liderar uma equipa;
  • Ser autónomo e independente no desempenho da função;
  • Participar no processo de tomada de decisão;
  • Sentir segurança, através da perceção de estabilidade profissional e/ou financeira;
  • Sentir identificação com os valores e princípios da Organização;

Se cada um de nós parar para pensar no que responderia, certamente teríamos respostas diferentes em função daquilo que nos motiva, porque somos todos, de facto, muito diferentes!

E porque devemos fazer esta reflexão?

Porque na motivação como em tantas outras coisas, o autoconhecimento é fundamental.  E chega a ser o “motor” para definirmos metas e objetivos, ações que permitam potenciar o que achamos que está bem e tentar melhorar as arestas que ainda precisam de ser limadas.
Assim, no desenvolvimento do nosso trabalho, ou na forma como pensamos a nossa carreira, devemos sempre ter em consideração os fatores que nos motivam, que nos fazem dar mais e melhor de nós. Que nos fazem sentir realizados e preenchidos.
E claro que o preenchimento destes fatores não depende única e exclusivamente de nós… mas é a nós próprios que devemos, em primeiro lugar, esta tomada de consciência.

E os líderes, o que têm a ver com a motivação?

Todos aqueles que têm a responsabilidade de gerir pessoas devem procurar conhecer cada um dos elementos da sua equipa, o que passa por conhecer as motivações individuais de cada um. Saber qual o “motor” para a ação de cada elemento da equipa, permite uma gestão mais personalizada, respeitando a individualidade de cada um!
Na Neves de Almeida HR Consulting, em muitos dos projetos que desenvolvemos, procuramos precisamente conhecer as motivações das pessoas, porque acreditamos que revelam informação rica e única.
Aceite o desafio de parar para pensar naquilo que o move, e procure no dia-a-dia, no que depender de si, ir ao encontro dos seus fatores motivacionais!
 
Márcia Patrício | Manager