O alquimista das equipas

Patrícia Agostinho Neves de Almeida | HR ConsultingConta a lenda que um sábio chegou certo dia a uma aldeia, referindo que podia transformar objetos de metal em ouro. Fez a sua demonstração e, de facto, provou a todos a sua teoria. Deixou o livro com todas as instruções para que os aldeões as pudessem seguir mas, o líquido que permitia esta transformação dava muito trabalho a conseguir, e a maior parte das pessoas foi desistindo.
Conforme passava o tempo, apenas um pequeno grupo de aprendizes se manteve na realização da tarefa de alquimia. Este grupo acumulava histórias divertidas, situações interessantes e experiências únicas que passavam juntos. Cada um tinha um papel na realização final e quando um desmotivava os outros davam-lhe a mão. E tornavam-se cada vez mais unidos. Transformaram-se numa equipa.
Cada um com as suas valências, cada um especialista em algo, este grupo tinha um objetivo em mente, tendo cada um o seu papel na sua concretização. Cada elemento trabalhava de forma diferente, mas unida, no seu espaço, tendo a sua liberdade e dando liberdade ao outro quando esta era pedida. Sempre que alguma coisa corria menos bem, ouviam-se e falavam das situações críticas de modo a melhorá-las.
Até que chegou o dia de conseguirem ter o desejado líquido pronto e eles, que haviam começado juntos, viraram juntos a última página do livro do alquimista. Lá estava escrito: “Se todas as instruções foram seguidas, têm agora o líquido que, derramado sobre qualquer metal, o transforma em ouro. Entretanto, o que nos torna infinitamente ricos não é a quantidade de ouro que conseguimos produzir, mas os momentos que compartilhamos com pessoas amigas e que connosco formaram uma equipa, nas quais nos apoiamos e através das quais nos desenvolvemos. Agora já perceberam que a maior riqueza não está no produto final obtido, mas, sim, no caminho percorrido”.
Este é o objetivo de uma ação de team building. Para a “alquimia” empreendedora de uma equipa funcionar de forma vencedora é preciso que haja:
– Objetivos comuns, assumidos individualmente
– Papéis diferenciados, cada um fazendo sua parte e contribuindo para o coletivo
– Espaço autónomo dando vazão à liberdade
– Franqueza construtiva na articulação de pontos críticos
– Escuta ativa
– Integração entre todos na busca de conhecimento e apoio
– Motivação, coesão e organização
Uma ação experiencial de trabalho em equipa permite que, num contexto diferente do que vivemos no dia-a-dia, consigamos transformar um conjunto de pessoas numa equipa. Isto é alquimia!