Excelência da Dinâmica Organizacional: Orientação Estratégica

Paulo Marcelino Neves de Almeida | HR Consulting

O papel dos Recursos Humanos passa por assumir a total responsabilidade pelo alinhamento das competências e processos dos colaboradores no plano estratégico definido.

Quase todos os líderes e decisores na área de RH nas maiores organizações globais estão envolvidos na tomada de decisões e participam na equipa que define a estratégia da organização, e a maioria dos profissionais de RH reconhece este pensamento estratégico como parte de sua função. Em contraste, os profissionais de RH em muitas organizações de média e pequena dimensão muitas vezes não estão envolvidos nesta estratégia organizacional ou funcional. Consequentemente, para atingir os objetivos estratégicos de longo prazo de RH e para ser um interveniente-chave no processo da organização, alguns departamentos de RH podem precisar de superar visões negativas estereotipadas acerca da sua função. Ora veja:

  • Os profissionais de RH podem desempenhar um papel fundamental no planeamento estratégico de uma organização, se mostrarem possuírem as capacidades para fazê-lo.
  • Para ser um parceiro estratégico, os líderes de RH precisam de compreender o plano seguido e executar as atividades de RH de forma estratégica. Isto inclui compreender como os vários componentes organizacionais interagem e quais são as implicações de longo-prazo das decisões de RH.
  • O impacto das decisões de RH deve ser cuidadosamente pesquisado e analisado antes de implementar quaisquer mudanças.
  • Entender os cinco principais componentes não diretamente relacionados com a área de RH de qualquer negócio: Financeiro, Marketing, Comercial, Operação e Contabilidade.
  • Ser capaz de trabalhar com outros para implementar um programa estratégico e convencê-los da sua capacidade para fazê-lo. Uma das melhores maneiras de conseguir isso é ter uma consciência da cultura de cada um dos departamentos no interior de uma organização, a “política” organizacional e quaisquer rivalidades internas que possam eventualmente existir.

Este pensamento estratégico tem sempre de conviver com as necessidades e objetivos do negócio. Deste modo, podemos afirmar que este plano descreve um rumo para a organização. Aos RH cabe interpretar estas diretrizes e traduzi-las em iniciativas e passos concretos.

As organizações encontram-se a reestruturar com o objetivo de se concentrar na equipa em detrimento do foco único no desempenho individual. Uma das tendências mais relevantes no contexto atual passa pela ênfase do trabalho em equipa, independentemente da situação de emprego, setor ou políticas próprias em curso numa empresa. Se por um lado os profissionais têm sua própria agenda de carreira, as empresas encontram-se a fazer um esforço para assegurar que se encontram estruturadas em equipas de alto desempenho que lhes permitirão competir de forma diferenciada no futuro.

Esta reestruturação está a ser conduzida por várias razões, incluindo a ascensão da geração “millennials” e da geração Z, que cresceram com expetativas face ao mercado de trabalho, e o facto das organizações se estarem a tentar alinhar convenientemente com as necessidades dos clientes, tendo em vista agilidade acrescida num mercado volátil. Uma percentagem muito significativa de organizações classificam o “design organizacional” como prioridade máxima e três quartos destas gerações de colaboradores mais jovens afirmam estarem bem preparados para trabalharem efetivamente em equipa.

O papel dos RH é trazer as iniciativas certas para tornar o capital humano competitivo e inovador. Tem de assumir a sua responsabilidade pela ligação entre pessoas, ideias e ferramentas e demonstrar ser capaz de liderar o desenvolvimento da parte da estratégia desenvolvida que lhe diz diretamente respeito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *