INDICE DA EXCELÊNCIA: 70% DOS COLABORADORES QUER MELHORIA DAS RECOMPENSAS NO EMPREGO

Índice da Excelência

À medida que nos aproximamos da data de apresentação dos vencedores da Prémio “Índice da Excelência”, as respostas de quase 50.000 colaboradores ajudam a traçar um quadro do clima organizacional atual. A aposta na recompensa dos colaboradores surge como a iniciativa organizacional mais valorizada.

Lisboa, 30 de janeiro de 2017 – Os vencedores da primeira edição do estudo de clima organizacional e desenvolvimento do capital humano “Índice da Excelência”, desenvolvido pela Neves de Almeida | HR Consulting, em parceria com a Human Resources Portugal e o INDEG-ISCTE, vão ser revelados no próximo dia 9 de fevereiro – Lisboa, e as conclusões globais da iniciativa já são conhecidas. As respostas de 46.465 colaboradores, oriundos de 178 empresas, permitem traçar um quadro aprofundado do nível e fatores de satisfação na relação entre organizações e colaboradores.

Aparece com destaque a importância atribuída pelos colaboradores entrevistados às recompensas obtidas na organização – nas quais se incluem remuneração, benefícios e bónus – com 70% dos participantes a apontarem a sua relevância. Num segundo plano, é a aposta no desenvolvimento das pessoas que conquista atenção, selecionada por 61,4% dos participantes.

Segundo Pedro Rocha e Silva, Partner da Neves de Almeida | HR Consulting, “verificamos que a prioridade, em muitos casos, continua a ser a exigência numa maior aposta ao nível das recompensas dos colaboradores e do desenvolvimento das pessoas. A resposta de algumas organizações a estas preocupações não parte, porém, de uma eficaz estratégia de desenvolvimento dos seus profissionais, sendo entendida quase como uma obrigação corporativa. O estudo surge já como uma ferramenta válida e urgente para eficazmente compreender a relação estabelecida entre organizações e colaboradores, e para potenciar a implementação de soluções adequadas. Este é o primeiro passo para desenvolver estratégias segmentadas e customizadas, que vão de facto de encontro às reais necessidades dos profissionais, seja numa perspetiva de exercício da sua função atual seja tendo em conta as expetativas e ambições de crescimento de cada um”.

No geral, os cinco fatores de retenção mais salientados pelos colaboradores foram o gosto pelo trabalho desenvolvido (61,7%), o equilíbrio entre a vida pessoal e profissional (31,6%), a relação com os colegas (30,3%), as condições de trabalho (26,2%) e a segurança do emprego (24,9%).

Na análise aos sectores de origem das empresas no estudo constata-se que são a Consultoria e Serviços Profissionais; Tecnologia, Media e Telecomunicações e Saúde e Farmacêuticas que apresentam melhores resultados. No sentido oposto, com resultados mais baixos, encontram-se o Sector Público e Hotelaria, Turismo, Desporto e Ensino.

Salta, igualmente, à vista o destaque positivo das Pequenas Empresas, que apresentam valores de satisfação entre os colaboradores entre 67% e 76,3%, comparativamente às Grandes Empresas (>1000), com valores entre 55,5% e 66,9%. O estudo revela que, por norma, quanto maior é a dimensão da empresa, menos positiva é a avaliação que os colaboradores fazem da mesma nas dimensões contempladas. Numa análise mais detalhada verifica-se que quanto maior a dimensão da empresa, melhores são os resultados da segurança no emprego e dos benefícios. Contrariamente, fatores de retenção como a valorização profissional, condições de trabalho, reputação da organização e liderança de topo são mais apontados em organizações de menor dimensão.

As organizações participantes no Índice da Excelência terão acesso a um conjunto de resultados que lhes permitirão conhecer quais as áreas de maior e menor satisfação e compará-las com o mercado, percebendo, não só, onde se destacam pela positiva – o seu Fator X – mas também, em que áreas estão abaixo da média. Os rankings definidos tiveram em consideração a dimensão das organizações participantes (Pequenas, Médias, Grandes e Grandes>1000), bem como o seu posicionamento em diferentes sectores de atividade.

Sobre o índice da Excelência:

O Índice da Excelência 2016 é um estudo de clima organizacional e desenvolvimento do capital humano desenvolvido pela Neves de Almeida | HR Consulting em parceria com a Human Resources Portugal e o INDEG-ISCTE. Trata-se da 1ª edição deste trabalho, através do qual se analisa o estado de arte das práticas de recursos humanos em Portugal e se premeiam as entidades que mais investem e apostam nesta área. Informações adicionais em www.indicedaexcelencia.com.

Sobre a Neves de Almeida HR Consulting:

A Neves de Almeida | HR Consulting surge em 1991 com uma equipa de profissionais apaixonados pelas dinâmicas dos Recursos Humanos. Movida pela ambição de desenvolver equipas e de ajudar organizações a atingir objetivos, tem, ao longo de 25 anos, trabalhado para a diversificação e sofisticação da oferta, inovando na abordagem, sempre numa perspetiva de crescimento com o Cliente. Apenas o conhecimento aprofundado do negócio, da cultura e do ADN das organizações, assim como a experiência de 25 anos de história, podem responder aos desafios do próximo quarto de século. A sua oferta atual incide em cinco áreas de intervenção, Consulting, Search, Training, Assessment e Team Building. Informações adicionais em www.nevesdealmeida.pt.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *