Negócios com Paixão | Pitcher Cocktails e os refrescos com vista para o rio

Pitcher CocktailsQuem passeia entre o Cais do Sodré e o Terreiro do Paço, passando pela Ribeira das Naus, certamente não fica indiferente ao pequeno stand móvel de nome Pitcher Cocktails. Aí, servem-se cocktails aos locais e estrangeiros que querem desfrutar de uma bebida fresca num frasco de vidro quer em andamento, quer para se sentarem a contemplar a vista sobre o Tejo.

Quisemos saber o que motivou a criação deste negócio saboroso que nos refresca os dias de calor e os torna mais doces, e entrevistámos Alexandre Bettencour, o Diretor Executivo do projeto.

Conte-nos a história da sua paixão. Como começou este negócio?

A minha grande paixão sempre foi a criação de algo que mude a vida das pessoas positivamente. Que as encaminhe a encontrar algo que pudessem desconhecer. Essa intenção criativa como paixão, durante muito tempo, poderia ter-se traduzido de várias formas, mas penso que actualmente a responsabilidade de dirigir uma empresa é uma excelente forma materialização de ideias.

Este negócio surgiu como conceito nos tempos em que trabalhava como bartender numa empresa de serviços de bar, de modo a conseguir pagar as propinas do mestrado na faculdade. Inicialmente, a ideia era conseguir-se produzir cocktails de grande qualidade prontos a beber em qualquer lugar, onde fosse apenas necessário juntar gelo.

O nosso primeiro cliente fui eu próprio, ao produzir os cocktails em frascos, para levar comigo em passeios pela cidade de Lisboa. Isto é um facto relevante porque transmite-se hoje numa filosofia de exigência que aplicamos em tudo o que fazemos, como se fosse feito para nós próprios. Nesses passeios levei comigo o cocktail para locais onde todas as pessoas no mundo desejariam estar a beber um cocktail, mas que simplesmente não podiam. Isso mostrou-me, de uma forma totalmente nova, a potencialidade da ideia do cocktail enquanto uma experiência de vida.

Qual o seu maior objectivo, no seu dia-a-dia, com os clientes?

O nosso primeiro objectivo de dia-a-dia é muito simples; é o ter a capacidade de participar o contribuir de alguma forma para criar um momento positivo na vida das pessoas. Nós temos uma relação tão positiva com as pessoas que não os chamamos de clientes, pois não as consideramos como um meio para atingir um fim, mas sim como um fim em si mesmo.

Agora aquele que consideramos o objectivo primordial da empresa é a criação de ideias originais e de valor, que de alguma forma entrem na vida das pessoas para lhes acrescentar algo que mesmo sem saberem sempre lhes fez falta. Nós acreditamos na revolução do mundo pela criação e pelas ideias.

Como transmite a sua paixão à sua equipa?

As relações que são estabelecidas dentro desta empresa são muito humanas, por isso também não consideramos os nossos colaboradores como empregados, vemo-los antes como parceiros de negócio, em que o seu trabalho é uma peça fundamental daquilo que fazemos.

A paixão tenta-se transmitir através do perfeccionismo, do empenho, e da qualidade que colocamos em tudo o que fazemos. A ideia é gerar um onda positiva, uma filosofia própria que se torne contagiante, e que gere uma vontade voluntária de acrescentar o empenho de todos aqueles que connosco colaboram.

Como lida com os erros/fracasso?

Nós temos uma expressão muito própria que utilizamos desde o dia em que iniciámos esta empresa onde referimos que, nós não precisamos de ajudas de ninguém, precisamos apenas que nos saiam da frente. Com isto pretendemos dizer que se não nos forem colocando obstáculos pelo caminho, somos uma força praticamente imparável.

A nossa empresa tem si mesma uma espécie de “stock” de uma energia feita de uma vontade tão gigante de mudar o mundo, que, cada erro ou cada fracasso é utilizado como uma oportunidade para se dar início a uma nova ideia. O erro faz parte de qualquer processo, e é na verdade um excelente método de colocar as coisas no seu devido lugar.

Qual o conselho que dá a alguém que ainda não encontrou a sua paixão?

A paixão não é uma coisa sob a qual se tenha muito controlo. É algo que surge espontaneamente como parte intrínseca de nós, e que nos encaminha em direcção a qualquer coisa superior. Como consequência disso a mesma não pode ser procurada, porque não se encontra lá fora, mas ao invés, descoberta, porque se encontra dentro de nós.
Creio verdadeiramente que todos temos algo que nos faz mover, uma capacidade que possuímos deste o dia em que nascemos, mas que infelizmente, muitas vezes devido ao excesso de ruído a conseguimos ouvir.
O melhor conselho que acredito que se possa dar, é o ser-se verdadeiro e aprender a ouvir-se a si mesmo, conhecer-se a si mesmo, e perceber-se a si mesmo. Quando assim é tudo o resto virá naturalmente.

Visite a página de Facebook de Pitcher Cocktails para conhecer algumas das bebidas disponíveis e diga-nos qual é o seu cocktail preferido! Conhece algum Negócio com Paixão? Partilhe-o connosco!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *